Dez Fatos sobre a Dor Lombar

O isolamento social fez com que ficássemos um período muito maior em casa, e por isso a nossa rotina foi alterada. Deixamos de ir ao trabalho e iniciamos o home office, isso gerou mudanças no ambiente de trabalho, diminuímos a prática de atividade física, e ficamos expostos a uma carga emocional gerada por toda essa situação.

A dor lombar é uma condição que pode atingir até 65% das pessoas anualmente, e 84% das pessoas em algum momento da vida terão dor lombar.  Será que essas mudanças causadas pelo isolamento físico podem aumentar o risco de dor na lombar?

Para ajudar nessa resposta, o British Journal of Sports Medicine, fez um recente editorial, relatando 10 fatos sobre a dor lombar e desmitificando algumas crenças. Vamos lá para os fatos:

 

  • A dor lombar persistente é uma situação angustiante, mas raramente fatal e dificilmente irá te deixar em uma cadeira de rodas. Sendo assim, não é uma condição que ameace a sua vida.

 

  • Envelhecer não causa dor lombar e, embora exista essa crença, os estudos não comprovam que a causa ou piora da dor venha com a idade, sendo que a maioria dos casos melhora com o tratamento adequado baseado em evidências.

 

  • Dor lombar persistente raramente está associada a graves danos teciduais. Sua coluna é forte! Em casos de lesões, normalmente a cicatrização ocorre em 3 meses. Caso a dor persista, temos que considerar outros fatores associados como: a pouca tolerância a dor, expectativas negativas, estresse, tensões excessivas, fadiga e falta de atividade física.

 

  • Exames de imagem raramente mostram a causa da dor lombar. O exames acabam sendo úteis somente para uma minoria de indivíduos, visto que a maioria dos achados (protuberância discais, degenerações, artroses, protusões, entre outros) são muito comuns, mas não predizem o quanto de dor a pessoa poderá sentir. As imagens podem mudar com o tempo e a maioria das hérnias tendem a regredir . Além do que, não são somente as imagens que determinarão a evolução do quadro, o quadro clinico é muito mais importante.

 

  • Dor durante exercícios físicos e movimentação não significa que você está fazendo mal para sua coluna. Nos casos de dores persistentes é comum que os músculos ao redor fiquem mais sensíveis ao toque e movimento. A dor pode estar mais relacionado a esse aumento da sensibilidade, do que realmente ao grau de lesão. Então é normal e seguro sentir dor ao começar se movimentar e exercitar. Lembrando que o exercício e a movimentação de forma gradativa em todas as direções são as maneiras mais eficazes e saudáveis para o manejo da dor lombar.

 

  • Dor lombar não é causada por uma má postura. A maneira que sentamos, levantamos ou dobramos a coluna não geram dor lombar. Na verdade, a variação de posições é salutar para sua coluna.

 

  • A dor lombar não é causada por que o seu CORE está fraco. Musculatura do CORE fraca, não causa dor lombar. O que ocorre frequentemente em pessoas com dor lombar, é um aumento da tensão na musculatura do CORE, como uma resposta natural de proteção. Embora seja importante manter a musculatura do tronco forte e ativa, o seu relaxamento também pode ser útil no manejo do quadro.

 

  • A coluna não desgasta com carga e movimentos diários. Da mesma maneira que exercícios de levantamento de peso deixam seu músculo mais forte, movimento e cargas controladas sobre a sua coluna podem deixá-la mais forte e saudável criando resiliência estrutural. Então atividades como correr, girar e curvar-se podem ser feitas de maneira graduais e regulares.

 

  • Crises de dor não significa que você está se machucando. As crises de dor, frequentemente, não estão relacionadas a danos teciduais. Essas crises estão mais relacionadas com alguns fatores gatilhos como: estresse, atividades não corriqueiras, tensão, pouco sono, preocupação ou variações no humor. Mantenha-se calmo, relaxado e ativo.

 

  • Injeções, cirurgias e alguns medicamentos, geralmente não são a cura. Esses tipos de tratamento a longo prazo não são muito eficazes para o tratamento da dor, além de apresentarem alguns riscos e efeitos adversos. O tratamento eficaz é relativamente barato, seguro e inclui estratégias que abordem a otimização dos aspectos físicos e mentais do indivíduo (atividade e exercícios físicos, hábitos saudáveis de sono, controle do peso corporal, atividades sociais).

 

 

Nesse texto foram abordados diversos temas “polêmicos” e nada melhor do que conversar com seu fisioterapeuta ou seu médico para tirar eventuais dúvidas ou postar aqui para que possamos ajudá-los a esclarecer.

#keepmoving   

 

Tiago Alves Bozzo

Fisioterapeuta da Clínica Move

 

Referências:

 

https://bjsm.bmj.com/content/54/12/698

https://www.scielo.br/pdf/csp/v31n6/0102-311X-csp-31-6-1141.pdf

Abrir Chat
Precisa de Ajuda?