Bursite, ela é sempre a causa do problema?

Um diagnostico muito comum, mas muitas vezes é a consequência do problema!

A bursa é uma estrutura de membranas finas, normalmente com pequena ou nenhuma quantidade de líquido. Semelhante a uma bolsa, ela serve para proteger do atrito algumas partes do corpo, principalmente entre o osso e outra estrutura móvel, como tendão ou músculo. Elas de distribuem pelo corpo todo, principalmente no ombro e quadril, articulações bastante móveis. Mas será que a dor ou o problema vem somente da bursite?

Quando há um trauma em uma região com grande quantidade de bursa, como por exemplo uma queda batendo a lateral do quadril, a bursa aumenta de tamanho como um mecanismo de proteção, gerando uma inflamação com dor, calor, vermelhidão e aumento de volume. Nesse situação especifica  a dor e proveniente do aumento da bursa e a sua inflamação como a causa do problema e foco do tratamento. Além do trauma, algumas condições reumatológicas, infecciosas e metabólicas também podem causar inflamação aguda da bursa e ela ser também a causa do problema. O tratamento consiste em  anti-inflamatórios, analgésicos, fisioterapia cara diminuir a inflamação e eventualmente aspiração do conteúdo da Bursa  e infiltração de medicamentos.

No entanto, na maioria dos casos a bursa aumenta de tamanho por condições crônicas, não relacionadas a um trauma ou doença inflamatória. Isso quer dizer que o aumento da bursa pode ser consequência de um problema inicial!  Por exemplo, uma sobrecarga postural durante o trabalho ou mesmo um atleta fazendo um gesto esportivo inadequado pode levar a uma bursite. Quando a bursa aumenta de tamanho em condições crônicas, normalmente o tendão já está inflamado também. Nesse caso, medidas anti-inflamatórias ou aspirações/infiltrações podem ser necessárias para ajudar no processo de reabilitação, mas o foco do tratamento consiste em entender o mecanismo de movimento que causou a sobrecarga naquela estrutura e a potencial lesão que está por trás do aumento da bursa. Se for uma alteração na postura ou no gesto esportivo, esses movimentos precisam ser corrigidos.

 

Portanto, entender qual o mecanismo de lesão e os fatores de risco associados é a chave do tratamento! Assim, podemos tratar a causa e não somente a consequência, conseguindo melhores resultados e fazendo com que as infiltrações ou qualquer outro procedimento médico que seja proposto tenha melhores resultados.

 

Dr Marcelo Machado Arantes

Médico do Esporte. Tratamento de Dor

CRM SP 159433

 

Ultrassonografia reumatológica foi fundamental para o diagnóstico correto de Kim Kardashian

A mídia noticiou amplamente sobre o (possível) diagnóstico de Lupus e Artrite reumatoide recebido por Kim Kardashian, com base em exames laboratoriais. No meio reumatológico, esses diagnósticos foram questionados. Com base nas informações divulgadas, apenas os auto-anticorpos eram positivos, mas sabemos que esse achado não é suficiente para um diagnóstico definitivo dessas duas doenças.

Outro fator de confusão foi o histórico de psoríase que Kardashian havia divulgado previamente. A psoríase, doença autoimune inflamatória da pele, é um forte fator predisponente para a artrite psoriásica (outra condição reumatológica que pode cursar com dor e inchaço das articulações).

Felizmente, a reumatologia vem se apropriando de métodos diagnósticos cada vez mais precisos para diferenciar doenças autoimunes semelhantes. Entre esses métodos está a ultrassonografia. Particularmente quando operado por reumatologista treinado, esse exame consegue identificar elementos específicos de cada doença, facilitando um diagnóstico preciso. Desta forma, o tratamento correto pode ser instituído prontamente, prevenindo lesões irreversíveis.

No caso de Kim Kardashian o exame foi realizado pelo Dr Ben Artzi, reumatologista americano que utiliza a ultrassonografia em sua prática clínica. Dr Artzi acalmou a paciente, demonstrando não haver evidências de Artrite reumatoide ou Lupus. Reforçou que provavelmente o quadro está mais relacionado a uma possível artrite psoriásica.

A literatura científica vem apresentando um crescimento exponencial de estudos conduzidos por reumatologistas especializados, demonstrando a aplicabilidade clínica dessa ferramenta em diversas condições reumatológicas. A alta sensibilidade da ultrassografia para detectar alterações articulares contribui para um diagnóstico precoce de todas as artropatias autoimunes (entre elas artrite reumatoide, artrite psoriasica, lupus, espondilite) e também de outras etiologias (como gota e “artrose”).

Fontes:
https://www.eonline.com/br/news/1073458/kim-kardashian-descobre-se-tem-lupus#photo-1007746

https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/09/10/kim-kardashian-tem-exame-positivo-pra-anticorpo-da-lupus-ela-tem-a-doenca.htm

O exercício pode melhorar a função cerebral?

O Comprometimento Cognitivo Leve é uma síndrome caracterizada por alteração cognitiva, mas com as funções do dia-a-dia relativamente preservadas. Pode ser considerado, em alguns casos, uma transição entre a normalidade e demência, ou um estágio com poucos sintomas de doenças degenerativas, como a doença de Alzheimer.  Pode ocorrer comprometimento isolado da memória ou de várias funções cognitivas.

Estilo de vida saudável com atividades físicas, de leitura, palavras cruzadas, entre outras e de lazer regulares; bom engajamento social; aumento no consumo de peixes, redução no consumo de gorduras e açúcares; e controle dos fatores de risco vasculares, podem ter vantagens potenciais em retardar a demência.

Atividade física é amplamente indicada em idosos como estratégia para promoção de saúde, manutenção de capacidade funcional e como prevenção de várias doenças como hipertensão arterial, diabetes, osteoporose, osteoartrose, obesidade e depressão. O exercício físico aeróbio e de força muscular exercem efeitos positivos no desempenho cognitivo tanto em idosos, quanto em indivíduos com comprometimento cognitivo leve.

Dra. Ana Lucia de Sá Pinto
Pediatra e Médica do Exercício e Esporte
Clínica Move

Já ouviu falar em Espondilite Anquilosante?

A Espondilite Anquilosante (EA) é uma doença inflamatória crônica que faz parte do grupo das espondiloartrites, ou seja, doenças em que há inflamação das articulações da coluna, mas que também pode afetar articulações fora da coluna, locais como o de ligação dos tendões nos ossos (“êntese”) e órgãos, como os olhos.

É uma doença de causa desconhecida, mas sabemos do papel fundamental da genética para o seu desenvolvimento. Por isso a importância do famoso HLA-B27. Ele não é obrigatório para fazermos o diagnóstico, mas está presente na maioria dos pacientes com EA.

Sinais de alerta para pensarmos em EA são:

  • Idade até 45 anos
  • Dor na parte baixa da coluna e/ou nas nádegas que melhora com exercício e piora com repouso (por exemplo, dor pior à noite por ficarmos muito tempo parados) com rigidez para movimentar a coluna pela manhã
  • Dor e inchaço na região do calcanhar (entesite do calcâneo)
  • Episódios de olho vermelho e dolorido (uveíte)
  • Dor e inchaço em articulações fora da coluna, como mãos, joelhos e tornozelos (artrite)
  • Dedo “em salsicha” na mão ou no pé (dactilite)
  • Familiares de primeiro grau com EA

Tão importante quanto o tratamento medicamentoso com anti-inflamatórios e imunobiológicos são as medidas comportamentais, como parar de fumar e praticar exercícios físicos com regularidade.

A principal causa de sequelas associadas à EA é o atraso no diagnóstico. Se você apresenta os sintomas acima, principalmente se tiver casos na família, procure um Reumatologista. Pacientes com EA podem levar uma vida funcional, sem dor e limitação.

Se você apresenta esses sinais e sintomas ou tem dúvida quanto ao seu diagnóstico, procure e converse com o Reumatologista.

Dra Taysa Moreira

Reumatologista da Clínica Move

Dor crônica, uma doença que compromete e limita a vida de quem a possui

A dor é uma resposta de defesa do nosso corpo, mas ela também pode funcionar de maneira errada, caracterizando uma doença: a dor crônica. Dor crônica é aquela dor que dura mais do que três meses. Quando isso ocorre, a dor deixa de ser um sintoma passageiro e passa a ser a própria doença. Ela pode ser causada por lesão ou inflamação em um nervo (como em acidentes de carro); músculos, tendões e articulações (como na artrose), ou simplesmente por alteração na maneira como o sistema nervoso interpreta a dor (como na fibromialgia).

Estima-se que há mais de 2 milhões de casos por ano no Brasil. Devemos lembrar que não é normal sentir dor constantemente!

Os principais exemplos de dor crônica são:

  • Fibromialgia
  • Síndrome miofascial
  • Dor lombar, dorsal e cervical
  • Artrose e artrite com dor não controlada
  • Neuropatia diabética dolorosa
  • Dor de cabeça
  • Neuralgia após lesões por herpes
  • Neuralgia do trigêmeo
  • Síndrome de dor complexa regional (distrofia simpático reflexa)

 

O quadro de Dor Crônica pode levar:

  • Alterações no sono
  • Distúrbios alimentares
  • Dependência de medicamentos
  • Mudanças no humor
  • Falta de prazer no dia a dia
  • Afastamento do trabalho
  • Alterações nos relacionamentos interpessoais

 

Lidar com a dor, muitas vezes, se torna um caminho difícil e longo. A Clínica Move possui uma equipe multidisciplinar composta por Fisiatras,  Acupunturistas, Especialistas em Dor, Reumatologistas, Médicos do Esporte, Geriatra, Nutricionistas, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional e Fisioterapeutas,

 

A Clínica Move dispõe de ampla estrutura e equipamentos modernos tanto para o diagnóstico como para oferecer o melhor tratamento desses pacientes com Dor Crônica, entre eles:

  • Acupuntura e eletro acupuntura
  • Agulhamento seco e com xylocaina
  • Avaliação Biomecânica
  • Diversas modalidades de fisioterapia para analgesia e cinesioterapia
  • Game Ready Recorvery e Hypervolt Recovery
  • Infiltrações periarticulares e intra-articulares
  • Kinesiotaping
  • Liberação Miofascial com Hypervolt
  • Orientações de atividade física e liberação miofascial
  • Órteses e palmilhas
  • Reeducação Postural Global e Pilates
  • Terapia com Ondas de Choque
  • Toxina Botulínica
  • Ultrassom Reumatológico diagnóstico e tratamento

Dr. Marco Pontes Filho
Clínico Geral e Reumatologista da Clínica Move

Qual a diferença entre o Reumatologista e o Ortopedista?

As duas especialidades têm muito em comum e em alguns casos andam juntos no acompanhamento dos pacientes. Por isso é compreensível a dúvida que surge diante de uma queixa como dor no punho ou joelho: “ Marco consulta com o Reumatologista ou com o Ortopedista?”⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O que as une é o fato de ambas tratarem doenças que envolvem as articulações, ossos, músculos e estruturas como tendões e bursas. Talvez a maior diferença se encontre na formação médica de cada um. Enquanto o Reumatologista é clínico, o Ortopedista é cirurgião.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O Reumatologista lida com doenças articulares e musculoesqueléticas geralmente de caráter crônico (como artrose, gota, osteoporose, fibromialgia), além de doenças associadas a alterações da imunidade (como lúpus, artrite reumatoide e esclerodermia).⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

De modo geral, o Ortopedista lida com deformidades anatômicas (como pé torto, escoliose, luxação congênita do quadril), fraturas, tumores ósseos, traumas e lesões associadas ao esporte.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Existem algumas condições que são comumente diagnosticadas e tratadas por ambos, como bursites, tendinites, síndrome do túnel do carpo e dores na coluna.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

As seguintes dicas são válidas na hora de tomar a decisão de com qual especialista passar:

  • Se a sua dor e/ou inchaço surgiu em uma articulação ou próximo a ela, principalmente após algum trauma (por exemplo, queda ou batida) e você suspeita de fratura, lesões ligamentares ou de menisco, procure um Ortopedista.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
  • Se a sua dor e/ou inchaço tem calor no local, começou há algum tempo, está presente em mais de uma articulação ou próximos a ela ou as dores são generalizadas, procure um Reumatologista⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Nos casos duvidosos, não há certo ou errado. Um bom profissional, independente da sua área de atuação, caso perceba que o problema está alem da sua expertise, encaminhará o paciente ao colega mais indicado e em alguns casos manterão acompanhamento conjunto. Reumatologista e Ortopedista não são concorrentes, mas sim especialistas complementares.

Dra. Taysa Moreira
Reumatologista da Clínica Move

 

PLANT-BASED PROTEINS e qualidade nutricional: é possível ter boa qualidade proteica usando proteínas derivadas de vegetais?

A qualidade de uma proteína é avaliada pela quantidade e proporção dos aminoácidos essenciais ou seja, aqueles aminoácidos que nosso corpo não consegue fabricar, obrigando-o a obter através da dieta. Sabe-se que as proteínas de fontes animais (carne, ovo, leite, soro de leite, etc) têm um perfil amino acídico muito similar à proteína muscular humana e, portanto, fornecem com relativa facilidade os aminoácidos fundamentais para a síntese proteica de uma só vez. As proteínas vegetais, via de regra, não contém a mesma proporção de amino ácidos essenciais que as proteínas de fontes animais.

Nesse quesito um artigo publicado em agosto desse ano pelo grupo do Prof. Luc Van Loon, da Universidade de Maastrich, Holanda, comparou o teor de proteína  e de aminoácidos essenciais de várias fontes vegetais e animais (proteína isolada pronta para consumo humano ou animal) e encontrou resultados bem interessantes. Por exemplo, sabe-se que, para obter máximo perfil de aminoácidos para a síntese proteica muscular, deve-se ingerir 25g whey protein (proteína isolada do soro do leite, contendo 2,7g de leucina). A mesma quantidade de leucina pode ser atingida usando proteínas vegetais, tais como 20g proteína isolada de milho, 33g de proteína isolada de batata, 37g de proteína isolada de arroz integral ou 40g de proteína isolada de soja.  Nesse trabalho, ficou claro que a proteína isolada da batata apresenta um escore de aminoácidos ramificados e uma quantidade de proteína total bastante interessante quanto comparado a outras fontes proteicas como cânhamo, lúpulo, aveia e até mesmo a soja, em alguns aspectos (ver gráficos). E curiosamente, é uma forma de proteína que não se vê muito por aqui.

No entanto, boa parte dessas proteínas vegetais apresenta algum aminoácido essencial deficiente tais como metionina, no caso das leguminosas ou lisina, no caso dos cereais, possibilitando o uso de misturas (blends) nutricionais. Assim, aumentar a quantidade dessas proteínas em 2-4 vezes (o que pode não ser muito prático)  ou misturar proteínas isoladas de milho ou arroz com proteínas isoladas de soja ou ervilha ou microalgas (50% de cada) pode formar proteínas de ótima qualidade com boa sustentabilidade.  Os nutricionistas já sabem disso ao estudar o binômio arroz-com-feijão que caracteriza a alimentação brasileira e já se tornou um clássico!

Contudo, ainda faltam estudos que comprovem a eficácia de uma única dose desses blends na promoção de síntese proteica muscular. Mas, apesar disso, as misturas de proteína vegetal podem ter relevância no alcance das necessidades proteicas compatíveis com diferentes fases do ciclo de vida e treinamento, de forma mais sustentável.

Referência: Gorissen et al, 2018. Amino Acids.  http://doi.org/10.1007/s00726-018-2640-5

Sedentarismo em Idosos

Importante salientarmos que sedentarismo não é a ausência de atividade física, e sim um comportamento de baixo gasto energético. Ou seja, não adianta irmos na academia 3x/semana, mas passarmos o restante do tempo na posição sentada, seja no trânsito, em frente a televisão ou computador. É importante cultivar um comportamento ativo.

De forma geral consideramos sedentário aquele que realiza menos de 5000 passos por dia, sendo que a recomendação é que tenhamos a meta de 10000 passos/dia idealmente.

95 % dos idosos não alcançam esta recomendação. Estudos mostram que a população com mais de 65 anos passa em média cerca de 9 horas por dia sentada. Outro dado importante é que mais de 50% das pessoas idosas que iniciam uma atividade física abandonam dentro de 6 meses.

E porque, mesmo sabendo da importância da prática de atividade física, muitos idosos não conseguem dar início à uma atividade regular ou não conseguem manter em sua rotina? 

As barreiras mais comuns à prática de atividade física para o idoso, são:

  • Dores
  • Alterações osteoarticulares e problema nos pés
  • Alterações clínicas
  • Dificuldade no equilíbrio
  • Alterações cognitivas
  • Antecedentes de lesões ao praticar atividade física
  • Nunca ter vivenciado modalidades de atividade física ou esportiva ao longo da vida
  • Falta de suporte social
  • Falta de entendimento sobre importância

Algumas dicas:

– faça a escolha certa: escolha gastar energia!!! Se pode subir de escadas, porque subir de elevador?

– se você tem medo de iniciar uma atividade física por questões clínicas, se sente dor ao fazer exercícios ou se tem histórico de lesões ao praticar atividade: não desista, procure seu médico!

 

Dra. Milene Silva Ferreira

Fisiatra e Geriatra Clínica Move

Estou com dor no ombro, o que pode ser?

O ombro é a articulação que possibilita a maior variedade de movimentos.  Essa articulação é importante para um grande número de atividades do dia a dia e diversas práticas de atividade física.

Essa ampla gama de movimentos pode levar a uma lesão aguda ou a uma instabilidade articular, com impacto entre as estruturas ósseas e as partes moles, que incluem bursas, ligamentos, músculos e tendões, desencadeando dor ou dificuldade para movimentar o braço.

Por isso, são várias as patologias que podemos ter no ombro:

  • Bursites e tendinite
  • Lesões com rompimento parcial ou total dos tendões
  • Síndrome de Impacto
  • Instabilidade articular, com luxações ou subluxações
  • Osteoartrite, popularmente conhecida como artrose
  • Fraturas

Essas lesões, quando não tratadas adequadamente, podem acabar impedindo a movimentação normal do ombro como um mecanismo de defesa, podendo, em alguns casos,  acarretar no chamado “ombro congelado”, em que o paciente não consegue mais mover o braço de maneira adequada, com uma grande perda da amplitude do movimento.

A partir da história clínica do paciente, a característica da dor e o tipo de  atividade esportiva e do dia a dia, bem como  do exame fisico minuncioso, o médico suspeita das possíveis causas. A partir daí, são pedidos exames de imagem que ajudam a chegar no diagnóstico.

A maioria das lesões melhoram com tratamento clínico, e  várias medidas precisam ser tomadas:

Retirar os fatores que desencadeam ou pioram a dor

Analgésicos e antiinflamátorios não hormonais

Medicações intra-articulares

Fisioterapia (analgesia)

Cinesioterapia (fortalecimento muscular)

Acupuntura

Avaliação biomecânica

Uma das especialidades capacitadas para o diagnóstico da causa da dor, seu tratamento e prevenção é o medico Reumatologista.

Dra Gabriela Daffre
Médica Reumatologista da Clínica Move

Vocês sabem o que é Algofobia e Cinesiofobia ?

A Algofobia é o medo da sensação de dor, e a Cinesiofobia é o medo de executar certos movimentos que são associados a dor.                  Os pacientes que sofrem de Algofobia ou Cinesiofobia ficam limitados em suas atividades e param de realizar muitas tarefas do dia a dia. Com isso acabam ficando mais tempo sentados ou deitados como uma forma de “se proteger” e o exercício físico se torna algo impossível de fazer.

O indivíduo entra em um ciclo vicioso, ele não se movimenta por dor e sente dor ao se movimentar, e como já sabemos quanto mais tempo sedentário mais dor o paciente vai sentir.

Os pacientes com dor crônica tem mais receio em realizar atividades e ele são mais sensíveis à dor, pois, acreditam que o movimento vai aumentar a dor ou reincidir alguma lesão.

Muitas vezes optam apenas por um tratamento medicamentoso, que para eles é considerado mais “seguro”, mas é fundamental adaptar este corpo ao movimento e se desprender do medo, uma vez que já está bem estabelecido a importância dos exercícios terapêuticos e físicos para o tratamento da dor.

Muitas vezes esses pacientes necessitam de acompanhamento psicológico para lidarem com essas fobias.

Durante o tratamento fisioterápico, para a quebra dessa fobia é necessário o acompanhamento de um fisioterapeuta com experiência em pacientes com dor crônica. Durante as sessões o fisioterapeuta precisa explicar a importância do fortalecimento muscular, dos exercícios de flexibilidade e da biomecânica para o sucesso do tratamento, e principalmente deixar claro o paciente que a progressão será lenta, para  deixa-lo seguro que ele não sentirá nenhum incômodo.

 

Bárbara Hossni Espinhel

Fisioterapeuta da Clínica Move