O Exercício Físico melhora a atenção e memória de pacientes com Câncer de mama

Os relatos de perda de memória e atenção durante e após o tratamento são comuns entre as mulheres com câncer (CA) de mama. Este evento é conhecido como Comprometimento Cognitivo Relacionado ao Câncer (CCRC) e acomete, principalmente, as pacientes durante a quimioterapia. Os possíveis mecanismos que levam a este prejuízo cognitivo estão relacionados à capacidade dos agentes quimioterápicos em atravessar a barreira hematoencefálica promovendo danos as células nervosas, e alterações  nos níveis de neurotransmissores, citocinas, estrógeno e testosterona.  Por efeito, pacientes com CA de mama queixam-se de déficit de atenção, dificuldade de retornar ao trabalho e de cumprimento dos papéis sociais, angustia e perdas da autoconfiança e da qualidade de vida.

Um recente estudo, avaliou o nível de atividade física e o relacionou com a fadiga e desempenho cognitivo em 299 mulheres com CA de mama. O estudo evidenciou que as pacientes com os níveis mais altos de atividade física diária foram as que tiveram menor fadiga e obtiveram melhores desempenhos nos testes de função executiva e memória.

Estes achados nos mostram que a fadiga parece ser um mecanismo potencializador do CCRC e que, ao reduzi-la, os sintomas de perda de memória e atenção também diminuem. Dado que o exercício físico é, legitimamente, a intervenção terapêutica mais relevante na redução da fadiga relacionada ao CA, fica clara a necessidade de expor as pacientes com CA de mama a uma rotina de exercícios diários para a melhora do CCRC.

Considerando a qualidade deste estudo, seus resultados tornam-se extremamente relevantes e conclusivos: pacientes com CA de mama que treinam podem reduzir dois sintomas importantes (fadiga e comprometimento cognitivo).

Estamos no mês da conscientização sobre a prevenção e tratamento do CA de mama. Mulheres, vocês estão esperando o quê para começar a se exercitar?

Professor de Educação Física da Clínica Move

Mestre Rodrigo Ferraz

Referência do estudo citado

  • Ehlers, Diane K., et al. “The effects of physical activity and fatigue on cognitive performance in breast cancer survivors.” Breast Cancer Research and Treatment3 (2017): 699-707.

 

Pacientes com Doenças Reumatólogicas podem tomar Vacinas?

Muito tem sido falado sobre as vacinas nos dias de hoje, quais devem ser tomadas, quando devem ser tomadas, quem deve tomá-las e, mais importante, quem deve evitá-las.

As vacinas não devem ser limitadas à infância, existindo também um calendário vacinal para adultos e idosos. Elas podem ser recebidas em Unidades Básicas de Saúde (UBS), em Centros de Referência de Imunológicos Especiais (CRIEs) ou em clínicas particulares. Nas UBSs, estão as vacinas que compõe o calendário vacinal, ou seja, aquelas vacinas identificadas pelo governo com o melhor custo-efetividade e custo-benefício para causarem um maior impacto do ponto de vista de Saúde Pública, protegendo de maneira mais efetiva a comunidade. Nos CRIEs ocorre o atendimento de pessoas  portadoras de doenças crônicas, imunodeficiências ou aquelas que convivem com estas pessoas, além daqueles que apresentaram alguma hipersensibilidade ou eventos adversos graves após vacinas. Nas clínicas particulares estão presentes todas as vacinas licenciadas pelo Ministério da Saúde.

Quando falamos de vacinas e imunossuprimidos, o mais importante é diferenciar os dois tipos de vacinas:

  • inativadas (vírus e bactérias mortos)
  • atenuadas (vírus enfraquecido)

As vacinas inativadas são produzidas com partes dos vírus e bactérias, sem conteúdo genético e, portanto, sem vida. Assim, elas são incapazes de causar doenças. Já as vacinas atenuadas são produzidas de uma forma em que o vírus ainda é capaz de se multiplicar, porém apenas o suficiente para gerar uma resposta do organismo, que produzirá anticorpos contra esse vírus, assim, a pessoa vacinada fica protegida contra ele.

As vacinas atenuadas devem ser evitadas pelos pacientes imunossuprimidos, já que estes possivelmente não conseguirão produzir uma resposta adequada e poderão desenvolver as doenças.

Exatamente por nem todos poderem tomar todas as vacinas, é  fundamental que quem não seja imunossuprimido ou não tenha alguma outra contraindicação, receba-as de forma correta. Este é o conceito de Proteção Coletiva, assim, os que estão protegidos contra as doenças por terem sido vacinados não as transmitirão para aqueles que não podem receber as vacinas.

Considerando as vacinas a serem tomadas por adultos (maiores de 20 anos), as vacinas de microorganismos inativados, ou seja, aquelas que podem ser tomadas por todos e que não são capazes de causar doença são:

  • Dupla adulto (dT): protege contra difteria e tétano, ou Triplice Acelular: protege contra tetano, difteria e coqueluxe
  • Hepatite B
  • Hepatite A
  • Vacina contra gripe: protege contra o vírus influenza
  • Vacina contra pneumococo: protege contra otites, pneumonia e meningite causadas por pneumococos
  • Vacina contra meningococos: protege contra meningites (C conjugada, ACWY e B)

 

As vacinas atenuadas, devem ter seus riscos e benefícios discutidos nos pacientes imunossuprimidos e são:

  • Vacinas isoladas de sarampo, caxumba ou rubéola ou conjugadas na Dupla (SR) ou na Tríplice viral (SCR): protege contra sarampo, caxumba e rubéola
  • Febre amarela
  • Herpes Zoster
  • Varicela: protege contra a catapora

Os principais efeitos  adversos das vacinas são febre, cansaço, dor e vermelhidão no local da aplicação. Se o paciente estiver com febre, opta-se por adiar a vacinação. É importante lembrar  que a vacina da gripe é uma vacina de vírus inativado, assim, não é capaz de causar gripe. O que geralmente ocorre, é que caso o paciente já esteja infectado por um vírus quando toma a vacina, esta não o impede de ficar doente. Portanto, não foi a vacina que causou a doença.

Cada vacina apresenta um esquema vacinal específico, que deverá ser orientado por seu médico.

É de extrema importância, portanto, que os pacientes que estão recebendo imunossupressores estejam com todas as vacinas de vírus e bactérias inativados em dia e que conversem com seu médico sobre qual vacina de vírus atenuado devem receber, já que sempre deve ser levado em consideração o grau de imunossupressão e o risco que o paciente tem de se expor ao vírus e, assim, pesar o risco-benefício de tomar ou não cada vacina de vírus atenuado.

 

Dra Gabriela Daffre

Reumatologista da Clínica Move