Suplementos de proteína em pó – Eles são efetivos e úteis, será que são de qualidade?

Suplementação de proteínas em pó tais como proteína do soro do leite ou proteínas vegetais desempenham um importante papel no ganho de massa magra e na adequação proteica de dietas vegetarianas, ou de atletas e idosos, por exemplo. Há bastante evidência científica sobre o tema, já. Mas apesar de eficazes, será que os suplementos de proteínas na forma de pó têm boa qualidade do ponto de vista toxicológico?

Para responder a essa pergunta, uma organização  americana sem fins lucrativos chamada “The Clean Label Project”,  que funciona de forma relativamente similar à nossa “Fundação Pró-Teste” fez uma pesquisa. Essa entidade compra marcas regulares de produtos no mercado e envia para testes em laboratórios externos idôneos, a fim de avaliar a qualidade nutricional x presença de vários tipos de contaminantes. Entre eles, metais pesados, como chumbo, cádmio, outras substâncias maléficas como arsênio, mercúrio, BPA e pesticidas.

Assim, foram testados cerca de 130 produtos americanos de proteína em pó tanto de origem animal quanto de origem estritamente vegetal (proteínas veganas), orgânicas ou não. Segundo a organização, 70% dos suplementos proteicos em pó testados apresentaram positividade para chumbo; dentre eles, os suplementos proteicos em pó com maior teor de metais pesados foram justamente as proteínas orgânicas, comparadas à proteína não orgânica.

Além disso, 55% das proteínas em pó testadas apresentaram teores de BPA maiores que o desejável, sendo que proteínas orgânicas apresentaram um teor de BPA 40% maior que seus pares não-orgânicos. O BPA é conhecido por estar presente em embalagens plásticas e causar tumores, defeitos congênitos e outros transtornos de desenvolvimento. Na avaliação geral dos testes, enquanto os pós proteicos a base de ovo apresentaram-se mais “limpos”,  seus pares derivados de plantas (plant-based) apresentaram uma qualidade proteica inferior e com o dobro de metais pesados.  Ainda comparando orgânicos com não orgânicos, chamou a  atenção o teor de chumbo e cádmio superior nos primeiros, comparados aos não orgânicos. Curiosamente, mas marcas mais comprometidas com esses resultados são exatamente três marcas americanas bem conhecidas por aqui, tais como a Garden of Life, Nature´s Best e Quest (passe o dedo para ver o ranking nas fotos).

info-grafico

Por fim, proteínas enriquecidas com cacau comparadas aos seus similares aromatizados com baunilha também apresentaram maior teor de metais pesados e a provável hipótese é a mesma descrita acima, o cacau teria a capacidade de absorver mais metais pesados do ambiente. Dessa forma, apesar da popularidade desses suplementos e dos seus benefícios já demonstrados pela Ciência, deve-se ter parcimônia e cuidado no seu consumo.

A interpretação dos resultados nos leva a pensar que plantas, como se sabe, tem maior capacidade de absorver os metais e outras substâncias químicas diretamente do meio ambiente, ao passo que ao consumirmos proteínas de origem anima, de alguma forma, esses elementos já devem ter sido depurados parcialmente, pelo menos. Aqui a ideia não é discutir dieta onívora ou vegetariana ou se o orgânico é melhor que o não orgânico, mas reforçar a ideia de que, na Nutrição, não existe alimento totalmente bom ou totalmente ruim, todos tem vantagens e desvantagens. Tudo depende do objetivo e do caso e um bom profissional de Nutrição deve saber pesar bem o custo-benefício de um alimento ou suplemento.

Patrícia L. Campos-Ferraz
Nutricionista da Clínica MOVE

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Style switcher RESET
Color scheme