Meu filho está crescendo adequadamente?

O crescimento do ser humano acontece em velocidades e ritmos diferentes durante as fases da vida, e para cada idade há uma faixa de normalidade e não uma altura ideal. Geralmente, os filhos atingem alturas semelhantes ao de seus pais, por isso cada criança tem um potencial de crescimento particular que deve ser reconhecido e respeitado.

O potencial genético de crescimento da criança é avaliado através do cálculo da estatura alvo, a partir da estatura dos pais. A estatura final pode variar 8cm pra mais ou para menos dessa altura alvo, denominado canal familiar.
Durante a vida uterina, a velocidade de crescimento varia de acordo com a idade gestacional. Doenças genéticas ou alterações ambientais e placentárias podem determinar restrições no crescimento intrauterino, levando ao nascimento de crianças pequenas para a idade gestacional; isso pode influenciar no crescimento pós-natal e na estatura final.

A partir do nascimento, o hormônio do crescimento, chamado GH (Grownth Hormone), passa a ter papel primordial no crescimento da criança. Nos primeiros 3 anos de vida elas tendem a apresentar crescimento variável com intuito de alcançar o percentil de crescimento do seu canal familiar, por isso é importante avaliar em qual percentil de crescimento a criança se encontra ao fim do 3o ano e se está compatível com o seu canal familiar.

No primeiro ano de vida as crianças crescem em média 25cm; no segundo, 12cm; no terceiro 8cm e após o 3o ano, ocorre uma redução gradual da velocidade de crescimento até atingir um patamar de 4 a 6cm ao ano. Quando a criança está prestes a entrar no estirão da puberdade pode haver uma desaceleração ainda maior do crescimento, causando apreensão dos pais. Na puberdade, a criança passa por um período de 2 anos de crescimento acelerado (8 a 12cm ao ano), chamado de estirão puberal. A idade óssea é o grande preditor de crescimento e deve ser avaliada sempre que houver dúvidas quanto ao crescimento e desenvolvimento. Após o estirão puberal a criança passa a crescer muito lentamente até atingir sua estatura final, que ocorre com a idade óssea de 16 anos nas meninas e de 18 anos nos meninos.

De um modo geral, deve-se investigar déficit de crescimento em casos de:

• Crianças com estatura muito abaixo do esperado para idade e sexo (abaixo do percentil 2,5)
• Crianças que apresentam queda no percentil da altura após os 3 anos de idade ou velocidade de crescimento muito abaixo do esperado para idade e sexo
• Crianças com altura incompatível com o canal familiar.

Na maioria das vezes a baixa estatura ocorre devido seu canal familiar (pais baixos) ou por ter um crescimento mais lento (nesses casos a idade óssea também está atrasada e compatível com a estatura). Nessas situações, geralmente apenas se acompanha o crescimento, pois essas crianças atingirão sua estatura alvo. A garantia de uma alimentação variada e balanceada, sono em duração e horários adequados (mínimo 8 horas por noite), atividade física regular e exposição solar para produção de vitamina D são essenciais para o crescimento adequado das crianças.

Todas as crianças devem ser acompanhadas periodicamente quanto à sua curva de crescimento pelo pediatra. Os pais devem ficar atentos a sinais de alterações comportamentais, aparecimento precoce de caracteres sexuais (<8 anos em meninas e <9 anos em meninos), padrão alimentar, hábito intestinal, alterações importantes no peso corporal.

Diversas doenças metabólicas e hormonais podem afetar o crescimento infantil como hipotireoidismo, obesidade, erros alimentares, puberdade precoce, síndromes genéticas, doenças crônicas e uso de medicações. O diagnóstico precoce possibilita um melhor resultado, e quando a investigação mostra que a baixa estatura resulta de alguma doença, ela deve ser tratada.
O tratamento consiste na correção das doenças de bases e na reposição do GH em casos selecionados.
É sempre importante a avaliação do pediatra e de um endocrinologista na investigação e tratamento dessas crianças e adolescentes!

Dra. Mirela Miranda
Endocrinologista da Clínica Move

Disfunção Cognitiva e da Memória pós-covid-19

De forma bastante simplificada, pode-se definir a disfunção cognitiva como uma anormalidade na forma com que os neurônios trocam informações. Com essa disfunção, o cérebro passa a funcionar de maneira inesperada.

O processo de aquisição de conhecimento envolve raciocínio, pensamento, percepção, e é chamado de cognição. Todo aprendizado dos seres humanos depende do desenvolvimento emocional e cognitivo. Os elementos abaixo
estão relacionados à cognição :
 Intelectual (desenvolvimento ou capacidade intelectual);
 Mental;
 Capacidade de compreensão;
 Habilidade para absorção de conhecimento;
 Aprendizado;
 Percepção ou entendimento.

Um estudo feito no Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, revelou que a memória e a cognição são frequentemente afetadas nos pacientes pós-covid-19:
 83,3% dos pacientes desenvolveram dificuldades cognitivas;
 62,7% tiveram a memória a curto prazo afetada;
 26,8% sofrem de perda de memória de longo prazo.

A recuperação mental parece seguir um ritmo diferente da recuperação física em contaminados, mesmo nos pacientes assintomáticos ou com sintomas leves. Ou seja, os prejuízos neurológicos não são causados apenas pela falta ou deficiência de oxigenação cerebral. Há uma ação danosa do próprio vírus no tecido cerebral, algo que ainda precisa ser desvendado.

Áreas cerebrais importantes mostraram alterações nos testes de imagens, e pacientes que se recuperaram de quadros graves chegaram a apresentar lesões cerebrais parecidas com as causadas pela Doença de Alzheimer.

Áreas do cérebro afetadas pela Covid-19:
 Área de expressão da linguagem, contém os programas motores da fala;
 Área sensorial, responsável pelo entender da fala;
 Área processamento de estímulos e movimentos;
 Área mediadora, fundamental na tomada de decisões.

As disfunções cognitivas, como as eventuais perdas de memória, têm mostrado bons resultados quando avaliadas e acompanhadas pelo neurologista e psicólogo.

Dra. Luciana Bahia Neurologista da Clínica Move
Dra. Marina Cecchini Psicóloga da Clínica Move

@lucianambahia
@marina_cecchini_psicologa

#clinicamove #neurologista #psicologia #faltadememoria #cognicao

15 tiros de 4 segundos de exercício fazem diferença na sua saúde?

Aparentemente sim! Nos últimos anos, uma modalidade de treinamento conhecido pela sigla H.I.I.T., de High Intensity Interval Training tem sido estudada no meio científica e difundida na população.
No entanto, ainda há dúvidas sobre a “dose” e o “intervalo” desse tipo de treino, em que a característica básica é um exercício intenso, explosivo, de curta duração, alternado com um período de repouso ou exercício leve, repetidas várias vezes em um bloco.

No entanto, o interessante estudo intitulado “Inertial Load Power Cycling Training Increases Muscle Mass and Aerobic Power in Older Adults” (Edward F and cols), que foi publicado recentemente na revista médica Medicine & Science in Sports & Exercise investigou o efeito de pedalar uma bicicleta ergométrica em alta intensidade, de forma explosiva, por alguns segundos na massa muscular e na função cardiovascular de adultos inativos entre 50-68 anos.

Antes de começar o estudo, os autores avaliaram a capacidade aeróbia, força muscular, rigidez de parede arterial e capacidade de realizar atividades de vida diária. Durante 8 semanas, esses indivíduos foram submetidos a 15 minutos de treino, 3 vezes na semana. O treino consistia em 15-30 repetições de pedaladas muito intensas que duravam 4 segundos, alternando com 56 segundos de descanso. Com a evolução dos treinos, o período de descanso foi diminuindo para até 26 segundos.

No final desse período, os autores observaram que os indivíduos estudados melhoraram a sua capacidade aeróbia em 10%, ganharam massa e força muscular em membros inferiores, reduziram a rigidez arterial e ainda melhoraram a execução das suas tarefas de vida diária.

Portanto, quando bem executado e com disciplina, 15 tiros de 4 segundos de exercício de alta intensidade, com 56 segundos de descanso, 3 vezes na semana, pode ser uma ferramenta importante para adultos inativos. Aquela desculpa de “não tenho tempo” não serve mais.

Abaixo o link do estudo citado:
https://journals.lww.com/acsm-msse/Abstract/9000/Inertial_Load_Power_Cycling_Training_Increases.96122.aspx

Dra. Fernanda R. Lima
Médica Reumatologista da Clínica Move

Suplementação de Ácido Linoleico Conjugado

Os chamados Ácidos Linoleicos Conjugados (CLAs) são gorduras polinsaturadas encontradas naturalmente em fontes alimentares derivadas dos animais ruminantes, tais como leite de vaca, queijos, carnes, etc. Como o nome já diz, os CLAs têm como característica apresentar em suas cadeias duas duplas ligações conjugadas, que podem estar em diferentes geometrias (cis ou trans) e posições. Existem 28 isômeros identificados até o momento e os dois mais comuns são o 9,11 CLA ou ácido rumênico e o 10,12 CLA.

Os CLAs também podem ser obtidos sinteticamente através da hidrogenação de óleos de cártamo, girassol, de milho e de soja, porém, a proporção entre eles costuma ser próxima de 1:1, enquanto a forma natural de CLA possui 85% de 9,11 CLA e 10% de 10,12 CLA.

Umas das principais ações dos CLAs é reduzir a lipogênese e aumentar a lipólise em modelos animais e em culturas de células e, por isso, ganharam popularidade na indústria de nutracêuticos, no combate à pandemia de obesidade. Contudo, ele apresenta também outras supostas propriedades e hoje focaremos na sua possível ação antitumoral.

Algumas evidências apontam que o consumo de CLA reduz a incidência e a progressão de alguns tipos de câncer em humanos como, por exemplo, um estudo finlandês que mostra associação negativa entre consumo de leite e risco de câncer de cólon e de mama em mulheres, bem como um aumento na concentração de CLA plasmático. Outro estudo mostrou que sujeitos que consumiram 4 ou mais porções de laticínios por dia obtiveram menor risco de desenvolver câncer colorretal. A suplementação de 7.5g de CLA 10 dias antes da cirurgia de remoção tumoral também reduziu a proliferação de células tumorais.

Embora alguns estudos mostrem efeitos positivos da suplementação de CLA em câncer colorretal e mamário, esses efeitos não foram vistos em estudos populacionais realizados na França e nos Estados Unidos, o que torna imprescindível aumentar o número e a qualidade dos estudos sobre esse tema.
Até a próxima.

Dra. Patrícia Campos-Ferraz
Nutricionista da Clínica Move
@dra.patriciacamposferraz

Ref: Hartigh, Laura. Conjugated Linoleic Effects on Cancer, Obesity, and Atherosclerosis: A review of Pre-Clinic and Human Trials with Current Perspectives. Nutrients 2019, 11, 370; doi:10.3390/nu11020370 www.mdpi

Você que é ciclista, já ouviu falar em “Shermer’s Neck”?

Dra. Fernanda R. Lima

 

Cada vez mais temos visto o crescimento dos esportes de ultra-endurance, como corrida, ciclismo, natação e triatlo. Afinal, o ser humano foi, ao longo da evolução, fisiologicamente programado para ser um dos melhores animais de endurance do planeta.

 

O critério para definir um esporte de ultra-endurance é que ele dure ao menos 6 horas. Para fazer provas de um ou mais dias que tenham essa duração, o atleta tem que procurar melhorar o seu “motor energético” para suportar longos períodos em deslocamento contínuo.  Além disso, o sistema musculoesquelético tem que estar pronto para resistir à fadiga. Do contrário, o atleta fica exposto a um risco muito grande de lesões clínicas e do aparelho locomotor.

 

Uma das lesões mais curiosas no ciclismo de ultra-endurance  é o chamado Shermer’s Neck.  Essa situação é vista em ciclistas que pedalam distâncias muito longas e se caracteriza por uma importante fraqueza da musculatura do pescoço.

 

Ela foi descrita pela primeira vez em 1982 em um ciclista chamado Michael Schermer, durante a prova “Race Across America”, um evento ciclístico que vai de uma ponta a outra dos Estados Unidos. No meio da prova, Schermer perdeu progressivamente a força da musculatura do pescoço enquanto pedalava e de repente não conseguiu mais manter o seu queixo e olhar alinhados para frente. A partir daí, esse quadro foi batizado com o nome dele.

O Schermer’s Neck, em geral, vem acompanhado de dor na região cervical. No entanto, vale lembrar que dor é uma manifestação extremamente subjetivas para esses super atletas, que apresentam alta tolerância ao sofrimento. Outro sintoma descrito é a “diplopia” (visão dobrada do mesmo objeto), acentuada ao tentar elevar os olhos para olhar para um foco mais distante.

 

O que se sabe hoje é que esse quadro decorre uma fadiga extrema da musculatura do pescoço e olhos. Lesões prévias na coluna cervical, vícios posturais na bicicleta, uso de “aerobars” e capacetes pesados com câmeras acopladas são fatores de risco para o ciclista desenvolver o Schermer’s neck durante uma prova longa.

 

O mais impressionante é que, durante as competições, esse problema parece não ser um obstáculo suficiente para o ciclista abandonar a prova. Existem várias soluções “criativas” usando acessórios improvisados para sustentar a cabeça do ciclista na bicicleta. Por exemplo, a ciclista profissional Leah Goldstein teve Schermer’s Neck no meio de uma prova multidias com a média de rodagem 400km por dia. A solução foi trançar uma fita no seu cabelo e prende-la no na faixa do frequencímetro ou no top esportivo, para sustentar a cabeça até o final da prova!

 

A boa notícia é que o Schermer’s Neck é uma situação clínica reversível. O tratamento é basicamente repouso, sono e fisioterapia. Como prevenção, é fundamental fazer um trabalho de fortalecimento específico para a musculatura cervical, fazer um bikefit cuidadoso e conhecer o seu limite de condicionamento físico antes de se inscrever em uma prova de ultra-endurance.

 

 

 

 

 

Saiba mais sobre a doença que acometeu Justin Bieber

O cantor e ídolo teen Justin Bieber anunciou que foi diagnosticado com doença de Lyme.

Aqui no Brasil, essa doença  é chamada de Doença de Lyme símile brasileira (DLSB) ou síndrome de Baggio-Yoshinari (SBY), que foram os pesquisadores da doença aqui.

A doença é transmitida pela picada do carrapato, e aqui, pode ser por carrapatos que infestam animais silvestres ou domésticos, por exemplo boi, cavalo e cachorro.

A bactéria que causa os sintomas é a Borrelia burgdorferi. O sintoma inicial mais característico é o eritema migratório (EM), que acontece no local da picada. A pele fica com uma lesão avermelhada em volta da picada que surge de 4 a 30 dias após a picada e pode durar até 3 meses.

Tempos depois pode vir manifestações articulares, neurológicas, cardíacas e oculares. Há uma reação imunológica a infecção prévia pela bactéria que pode causar síndrome da fadiga crônica. O diagnóstico  na ausência do EM é bastante difícil e o teste para o diagnóstico pode ser falso positivo em várias situações, quando há outra doença autoimune, infecções e outras doenças crônicas.

O sintomas podem recorrer mesmo após o tratamento com antibiótico contra a bactéria, que é feito por 30 dias na fase aguda (aquela da lesão da pele) e por pelo 3 meses quando na fase crônica (quadro articular, neurológico, oftalmológico e cardíaco).

A fadiga é o sintoma mais comum  e que pode aparecer em qualquer  fase da doença.

Se estiver com algum desses sintomas procure um reumatologista para definir o seu diagnóstico e tratamento.

Dra. Lorenza Silvério

Médica Clínica Geral e Reumatologista da Clínica Move

Pacientes com Doenças Reumatólogicas podem tomar Vacinas?

Muito tem sido falado sobre as vacinas nos dias de hoje, quais devem ser tomadas, quando devem ser tomadas, quem deve tomá-las e, mais importante, quem deve evitá-las.

As vacinas não devem ser limitadas à infância, existindo também um calendário vacinal para adultos e idosos. Elas podem ser recebidas em Unidades Básicas de Saúde (UBS), em Centros de Referência de Imunológicos Especiais (CRIEs) ou em clínicas particulares. Nas UBSs, estão as vacinas que compõe o calendário vacinal, ou seja, aquelas vacinas identificadas pelo governo com o melhor custo-efetividade e custo-benefício para causarem um maior impacto do ponto de vista de Saúde Pública, protegendo de maneira mais efetiva a comunidade. Nos CRIEs ocorre o atendimento de pessoas  portadoras de doenças crônicas, imunodeficiências ou aquelas que convivem com estas pessoas, além daqueles que apresentaram alguma hipersensibilidade ou eventos adversos graves após vacinas. Nas clínicas particulares estão presentes todas as vacinas licenciadas pelo Ministério da Saúde.

Quando falamos de vacinas e imunossuprimidos, o mais importante é diferenciar os dois tipos de vacinas:

  • inativadas (vírus e bactérias mortos)
  • atenuadas (vírus enfraquecido)

As vacinas inativadas são produzidas com partes dos vírus e bactérias, sem conteúdo genético e, portanto, sem vida. Assim, elas são incapazes de causar doenças. Já as vacinas atenuadas são produzidas de uma forma em que o vírus ainda é capaz de se multiplicar, porém apenas o suficiente para gerar uma resposta do organismo, que produzirá anticorpos contra esse vírus, assim, a pessoa vacinada fica protegida contra ele.

As vacinas atenuadas devem ser evitadas pelos pacientes imunossuprimidos, já que estes possivelmente não conseguirão produzir uma resposta adequada e poderão desenvolver as doenças.

Exatamente por nem todos poderem tomar todas as vacinas, é  fundamental que quem não seja imunossuprimido ou não tenha alguma outra contraindicação, receba-as de forma correta. Este é o conceito de Proteção Coletiva, assim, os que estão protegidos contra as doenças por terem sido vacinados não as transmitirão para aqueles que não podem receber as vacinas.

Considerando as vacinas a serem tomadas por adultos (maiores de 20 anos), as vacinas de microorganismos inativados, ou seja, aquelas que podem ser tomadas por todos e que não são capazes de causar doença são:

  • Dupla adulto (dT): protege contra difteria e tétano, ou Triplice Acelular: protege contra tetano, difteria e coqueluxe
  • Hepatite B
  • Hepatite A
  • Vacina contra gripe: protege contra o vírus influenza
  • Vacina contra pneumococo: protege contra otites, pneumonia e meningite causadas por pneumococos
  • Vacina contra meningococos: protege contra meningites (C conjugada, ACWY e B)

 

As vacinas atenuadas, devem ter seus riscos e benefícios discutidos nos pacientes imunossuprimidos e são:

  • Vacinas isoladas de sarampo, caxumba ou rubéola ou conjugadas na Dupla (SR) ou na Tríplice viral (SCR): protege contra sarampo, caxumba e rubéola
  • Febre amarela
  • Herpes Zoster
  • Varicela: protege contra a catapora

Os principais efeitos  adversos das vacinas são febre, cansaço, dor e vermelhidão no local da aplicação. Se o paciente estiver com febre, opta-se por adiar a vacinação. É importante lembrar  que a vacina da gripe é uma vacina de vírus inativado, assim, não é capaz de causar gripe. O que geralmente ocorre, é que caso o paciente já esteja infectado por um vírus quando toma a vacina, esta não o impede de ficar doente. Portanto, não foi a vacina que causou a doença.

Cada vacina apresenta um esquema vacinal específico, que deverá ser orientado por seu médico.

É de extrema importância, portanto, que os pacientes que estão recebendo imunossupressores estejam com todas as vacinas de vírus e bactérias inativados em dia e que conversem com seu médico sobre qual vacina de vírus atenuado devem receber, já que sempre deve ser levado em consideração o grau de imunossupressão e o risco que o paciente tem de se expor ao vírus e, assim, pesar o risco-benefício de tomar ou não cada vacina de vírus atenuado.

 

Dra Gabriela Daffre

Reumatologista da Clínica Move

 

O exercício pode melhorar a função cerebral?

O Comprometimento Cognitivo Leve é uma síndrome caracterizada por alteração cognitiva, mas com as funções do dia-a-dia relativamente preservadas. Pode ser considerado, em alguns casos, uma transição entre a normalidade e demência, ou um estágio com poucos sintomas de doenças degenerativas, como a doença de Alzheimer.  Pode ocorrer comprometimento isolado da memória ou de várias funções cognitivas.

Estilo de vida saudável com atividades físicas, de leitura, palavras cruzadas, entre outras e de lazer regulares; bom engajamento social; aumento no consumo de peixes, redução no consumo de gorduras e açúcares; e controle dos fatores de risco vasculares, podem ter vantagens potenciais em retardar a demência.

Atividade física é amplamente indicada em idosos como estratégia para promoção de saúde, manutenção de capacidade funcional e como prevenção de várias doenças como hipertensão arterial, diabetes, osteoporose, osteoartrose, obesidade e depressão. O exercício físico aeróbio e de força muscular exercem efeitos positivos no desempenho cognitivo tanto em idosos, quanto em indivíduos com comprometimento cognitivo leve.

Dra. Ana Lucia de Sá Pinto
Pediatra e Médica do Exercício e Esporte
Clínica Move

Já ouviu falar em Espondilite Anquilosante?

A Espondilite Anquilosante (EA) é uma doença inflamatória crônica que faz parte do grupo das espondiloartrites, ou seja, doenças em que há inflamação das articulações da coluna, mas que também pode afetar articulações fora da coluna, locais como o de ligação dos tendões nos ossos (“êntese”) e órgãos, como os olhos.

É uma doença de causa desconhecida, mas sabemos do papel fundamental da genética para o seu desenvolvimento. Por isso a importância do famoso HLA-B27. Ele não é obrigatório para fazermos o diagnóstico, mas está presente na maioria dos pacientes com EA.

Sinais de alerta para pensarmos em EA são:

  • Idade até 45 anos
  • Dor na parte baixa da coluna e/ou nas nádegas que melhora com exercício e piora com repouso (por exemplo, dor pior à noite por ficarmos muito tempo parados) com rigidez para movimentar a coluna pela manhã
  • Dor e inchaço na região do calcanhar (entesite do calcâneo)
  • Episódios de olho vermelho e dolorido (uveíte)
  • Dor e inchaço em articulações fora da coluna, como mãos, joelhos e tornozelos (artrite)
  • Dedo “em salsicha” na mão ou no pé (dactilite)
  • Familiares de primeiro grau com EA

Tão importante quanto o tratamento medicamentoso com anti-inflamatórios e imunobiológicos são as medidas comportamentais, como parar de fumar e praticar exercícios físicos com regularidade.

A principal causa de sequelas associadas à EA é o atraso no diagnóstico. Se você apresenta os sintomas acima, principalmente se tiver casos na família, procure um Reumatologista. Pacientes com EA podem levar uma vida funcional, sem dor e limitação.

Se você apresenta esses sinais e sintomas ou tem dúvida quanto ao seu diagnóstico, procure e converse com o Reumatologista.

Dra Taysa Moreira

Reumatologista da Clínica Move

Dor crônica, uma doença que compromete e limita a vida de quem a possui

A dor é uma resposta de defesa do nosso corpo, mas ela também pode funcionar de maneira errada, caracterizando uma doença: a dor crônica. Dor crônica é aquela dor que dura mais do que três meses. Quando isso ocorre, a dor deixa de ser um sintoma passageiro e passa a ser a própria doença. Ela pode ser causada por lesão ou inflamação em um nervo (como em acidentes de carro); músculos, tendões e articulações (como na artrose), ou simplesmente por alteração na maneira como o sistema nervoso interpreta a dor (como na fibromialgia).

Estima-se que há mais de 2 milhões de casos por ano no Brasil. Devemos lembrar que não é normal sentir dor constantemente!

Os principais exemplos de dor crônica são:

  • Fibromialgia
  • Síndrome miofascial
  • Dor lombar, dorsal e cervical
  • Artrose e artrite com dor não controlada
  • Neuropatia diabética dolorosa
  • Dor de cabeça
  • Neuralgia após lesões por herpes
  • Neuralgia do trigêmeo
  • Síndrome de dor complexa regional (distrofia simpático reflexa)

 

O quadro de Dor Crônica pode levar:

  • Alterações no sono
  • Distúrbios alimentares
  • Dependência de medicamentos
  • Mudanças no humor
  • Falta de prazer no dia a dia
  • Afastamento do trabalho
  • Alterações nos relacionamentos interpessoais

 

Lidar com a dor, muitas vezes, se torna um caminho difícil e longo. A Clínica Move possui uma equipe multidisciplinar composta por Fisiatras,  Acupunturistas, Especialistas em Dor, Reumatologistas, Médicos do Esporte, Geriatra, Nutricionistas, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional e Fisioterapeutas,

 

A Clínica Move dispõe de ampla estrutura e equipamentos modernos tanto para o diagnóstico como para oferecer o melhor tratamento desses pacientes com Dor Crônica, entre eles:

  • Acupuntura e eletro acupuntura
  • Agulhamento seco e com xylocaina
  • Avaliação Biomecânica
  • Diversas modalidades de fisioterapia para analgesia e cinesioterapia
  • Game Ready Recorvery e Hypervolt Recovery
  • Infiltrações periarticulares e intra-articulares
  • Kinesiotaping
  • Liberação Miofascial com Hypervolt
  • Orientações de atividade física e liberação miofascial
  • Órteses e palmilhas
  • Reeducação Postural Global e Pilates
  • Terapia com Ondas de Choque
  • Toxina Botulínica
  • Ultrassom Reumatológico diagnóstico e tratamento

Dr. Marco Pontes Filho
Clínico Geral e Reumatologista da Clínica Move

Abrir Chat
Precisa de Ajuda?